O comandante da Defesa Civil de Nova Friburgo, Roberto Robadey, elevou para 38 o número de mortos em decorrência da chuva desde terça (11) na cidade. O número inclui três mortos no desabamento de um prédio na cidade da Região Serrana na tarde de ontem.

A chuva deixou Friburgo sem sinal de telefonia, sem luz e sem transporte nesta quarta (12). À tarde, moradores perambulavam pela cidade cheia de lama sem saber o que fazer. O ginásio de uma escola estadual é usado como necrotério.

Em Teresópolis, também na Região Serrana, a prefeitura local havia confirmado no fim da tarde a morte de mais 25 pessoas. Só no município, a combinação de chuva e deslizamento matou114 pessoas.

Um total de 800 homens da Defesa Civil e bombeiros tenta localizar desaparecidos na cidade. O secretário do Ambiente do estado do Rio de Janeiro, Carlos Minc, classificou a chuva como a “maior catástrofe da história de Teresópolis“. “Não foi possível escolher o que ia cair. Casa de rico, casa de pobre. Tudo foi destruído”, disse a empregada doméstica de 27 anos, Fernanda Carvalho.

Fonte: G1