Chegou ao fim nesta segunda-feira uma das mais brilhantes carreiras da história do futebol. Aos 34 anos, Ronaldo não resistiu à intensa batalha diária contra os problemas físicos acarretados pelas oito cirurgias ao longo da sua trajetória, revelou um problema de hipotireoidismo e anunciou que não jogará mais profissionalmente. É o fim para aquele que eternizou a camisa 9 com um talento que, não por acaso, lhe rendeu o apelido de Fenômeno e se transformou em um mito mundial.

– Estou aqui para falar que estou encerrando a carreira como jogador profissional. E dizer que essa carreira foi linda, maravilhosa e emocionante – disse Ronaldo, ao abrir o seu emocionante pronunciamento.

Em uma concorrida entrevista coletiva no CT Joaquim Grava, o craque comunicou, exatamente às 13h02, que não continuará atuando pelo Corinthians, com quem tinha contrato até 31 de dezembro de 2011. Ronaldo assombrou o planeta aliando velocidade e técnica de forma nunca vista antes, mas sucumbiu ao tempo e ao próprio corpo. Agora, se dedicará à família, à vida de empresário e à fortuna que acumulou sendo um gênio da bola.

Ronaldo chegou ao centro de treinamento às 10h30m, acompanhado de dois dos seus quatro filhos – Ronald e Alex. Vestido com traje casual, caminhou até o gramado onde os outros jogadores treinavam e parou a atividade. Por cerca de cinco minutos, o craque discursou para companheiros, membros da comissão técnica e diretoria. No fim, todos os aplaudiram de pé e o abraçaram em uma cena comovente, que representa bem o respeito que todos têm por ele.

Até a hora do anúncio oficial, o Fenômeno ficou nas dependências internas do CT se despedindo de funcionários e outros colegas. A cada adeus a emoção tomava conta do jogador.

Pelo Corinthians, Ronaldo esteve em campo 69 vezes e marcou 35 gols. Ao longo da carreira, ele balançou as redes 471 vezes, contando as passagens por Cruzeiro, PSV, Barcelona, Inter de Milão, Real Madrid, Milan e Timão. Na equipe do Parque São Jorge, conquistou dois títulos: o Campeonato Paulista, de maneira invicta, e a Copa do Brasil. Ambos em 2009. O Fenômeno foi também eleito três vezes o melhor jogador do mundo pela Fifa.

Sem contar que ele deixa o futebol com o status de maior artilheiros das Copas do Mundo e com dois títulos da principal competição do planeta. Em 1994 como reserva e em 2002 como estrela.

Fonte: G1