Joseane Santos, mãe de Milena, precisou ser amparada em enterro

Após a tragédia ocorrida na última quinta-feira (7), quando um atirador entrou na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste do Rio de Janeiro, e promoveu o massacre que matou 12 crianças e feriu outras 11, os pais de Milena Santos do Nascimento, uma das vítimas, já pensam em retornar à Bahia. Natural de Ipiaú, no sudoeste do estado, e ex-residente de Ubatã, no sul baiano, a garota e sua família foram morar no Rio, quando ela tinha apenas um ano de idade, e teve o sonho de ser atriz abortado por Wellington Menezes de Oliveira, autor dos disparos, que tirou a própria vida depois da chacina. Durante o enterro da menina nesta sexta (8), no Cemitério do Murundu, em Padre Miguel, a mãe precisou ser amparada.
“Ninguém esperava que ela fosse morta dentro da sala de aula. É muita dor”, desabafou Joseane Santos. O pai, Valdir Nascimento, revelou deixar o Rio e retornar à cidade-natal. “Era uma menina alegre, que vivia sorrindo. A única vontade dela era ser feliz. Quero vender a casa e construir minha vida em Ubatã, novamente”, revelou ao Correio. A mãe de Milena teve que passar a sexta sob efeito de medicamentos.
Fonte: Bahia Notícias