Entretanto, o retrato do presente, tragicamente, é a substituição de homens públicos em benefício de homens oportunistas – esses que aderem a qualquer governo almejando unicamente atender seus interesses particulares em detrimento da coletividade. Atravessamos um período de contra-senso pois ao passo que o mundo evolui tecno-cientificamente e sob diversos âmbitos, no Brasil ainda recorremos a fazer política dos tempos de outrora, sem discussões, sem projetos, em suma, sem ideologia qualquer. O pensamento que ecoa nos ditos “líderes políticos” é o desejo de barganha – salvo raríssimas exceções. Nada mais. O poder é o que seduz. O povo sempre em segundo plano!  É tempo de hipocrisia.

Obviamente, não adianta pensarmos que o atual cenário mudará facilmente, pois faz parte de um processo gradativo. Negligenciar a política não é atitude inteligente, já que o que decide nossa vida em sociedade é, querendo ou não, através dela. É preciso que haja vozes que definitivamente defendam o aprimoramento da nossa educação para que, enfim, possamos seguir o caminho de uma política pautada no embate de ideias, discutindo melhoria dos serviços públicos e assim, deixar para trás essa politicagem que ainda está arraigada em nossas vidas. Ganha o povo. Ganha a cidadania!