Funil também paralisa atividades a partir do dia 16

Reunião realizada nesta quarta-feira (11) entre a Federação Nacional dos Urbanitários, Instituição ligada à CUT, e a Direção da Eletrobrás não chegou a um acordo sobre reajuste salarial e outras garantias, e os trabalhadores do setor energético brasileiro deflagraram greve por tempo indeterminado.

A Direção da Estatal ofereceu reajuste de 5,1%, mas os trabalhadores reivindicam aumento de 10,73%. Além disso, os servidores alegam que a Eletrobrás não apresentou propostas sobre indenização por perda de massa salarial, melhorias no PCR, plano de saúde extensivo aos aposentados dentre outras questões.

Há mais de 20 anos o setor energético brasileiro não deflagrava greve por tempo indeterminado. A paralisação começa a valer nesta segunda-feira (16). O Sistema Eletrobrás compreende dezesseis empesas, dentre elas Itaipu, Furnas, Eletronorte, Eletrossul, Eletronuclear e Chesf. Assembleias definirão se as empresas manterão, como reza a Lei da Greve, 30% do pessoal trabalhando.

Ver Informativo

Redação Ubatã Notícias