Prefeita revela situação em que encontrou o município

O Ubatã Notícias entrevistou, na última semana, a prefeita Cássia Mascarenhas (PMN). Na entrevista, a alcaide falou sobre as movimentações nas contas da prefeitura realizadas pelo prefeito afastado Edson Neves, sobre as dificuldades do município, pagamento de servidores e muito mais. Confira.

UN – Prefeita, qual foi o cenário encontrado ao assumir a Prefeitura de Ubatã?

CM – Eu diria caos, tragédia. Encontramos o município em uma situação caótica, difícil. Ainda estamos levantando os dados e fazendo uma análise das finanças do município para apresentar dados mais consistentes.

UN – E quanto às movimentações ilegais realizadas pelo prefeito Edson Neves quando já estava afastado do cargo. Quais providências foram tomadas?

CM – O prefeito Edson Neves movimentou, entre o dia 19 e 20 de junho, quando já estava afastado do cargo, de forma ilegal mais de R$ 400 mil. O Banco do Brasil tomou ciência dos fatos e também será responsabilizado pela movimentação. O prefeito já foi citado na Justiça Federal, em Jequi,é e outras providências estão sendo tomadas.

UN – Por Lei, a Prefeitura tem até o 5º dia útil de cada mês para pagar o funcionalismo público, no entanto a Lei vem sendo descumprida há meses. Neste mês, no entanto, a Prefeitura só depositou os vencimentos de parte da categoria. Qual a razão disso?

CM – Na verdade, Ubatã vem cometendo um erro gravíssimo, pois vem utilizando a receita de um mês para quitar débitos do mês posterior. Então, quando o prefeito Edson Neves foi afastado, no dia 19 de junho, desviou mais de R$ 400 mil das contas da prefeitura. Esse dinheiro era para pagar a Câmara Municipal e outras despesas. Assim, diversos débitos ficaram pendentes. Dez dias depois, no dia 30 de junho, o FPM veio muito pouco e o dinheiro não foi suficiente para quitar todos os débitos. Já no dia 10 de julho o município foi penalizado com uma retenção de mais de R$ 270 mil no FPM, o que inviabilizou a regularização da folha.

UN – Os servidores que estão com os salários em atraso estão um pouco temerosos. O Setor de Finanças para a regularização da folha?

CM – Vamos colocar todos os salários em dia até o dia 30 deste mês. Já pagamos uma parte da folha. Vamos trabalhar, não é fácil, pois ainda tem cerca de 20% dos funcionários para pagar, parcela da Coelba, débitos com inquilinos, débitos com combustível da gestão passada, débitos com transporte escolar. Ou seja, o cenário é de caos. Os débitos imediatos ultrapassam a casa de R$ 3 milhões. Mas quero tranquilizar os funcionários. Pagaremos a todos.

UN – O que fazer para esta situação não virar uma bola de neve, uma vez que sempre se recorre à verba de um mês para pagar débitos do mês anterior?

CM – Não é fácil, pois nós vamos pagar durante julho, o mês de junho, mas contratados de meses anteriores. Quando chegar agosto, vamos pagar julho. Ubatã vem nesta situação lamentável há muito tempo, e é preciso que quem seja eleito no dia 07 de outubro dê prioridade à administração, para que as contas do município entrem nos eixos. A cidade tem hoje 945 funcionários, mais servidores contratados. É um município falido.

UN – Prefeita, em seu entendimento Ubatã precisa desses servidores contratados? Há servidores contratados hoje em sua gestão?

CM – Nós não temos servidores contratados, temos os cargos de confiança, mas não temos contratados. Muitos deles prestaram seus serviços e a gestão anterior não pagou. É realmente um sofrimento muito grande dessa gente. Hoje não é um bom negócio ser prefeito de Ubatã.

UN – Levantamento realizado este ano pela Firjan coloca Ubatã como a oitava prefeitura mais próxima da falência no estado. Os últimos acontecimentos complicam ainda mais a situação?

CM – Eu acho que a Instituição que fez este levantamento foi generosa com Ubatã, pois a cidade não ocupa a oitava posição. Ubatã é um município falido. O ideal para esta cidade é um interventor, pois só ele seria capaz de resolver esta situação.

UN – Considerações Finais.

CM – Gostaria de tranquilizar a todos os servidores, locatários de imóveis e prestadores de serviços. Todos os esforços estão sendo feitos para colocar as contas do município em dia. O desafio é muito grande, mas vamos conseguir.