Ministro Dias Tofolli foi advogado do PT e de alguns do réus

Do Bahia Notícias

Sete anos depois de ser revelado, o maior escândalo de corrupção do governo Lula, conhecido como mensalão, começa a ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (2). O destino dos 38 réus do processo só deve ser conhecido em meados de setembro, mas os questionamentos e dúvidas já aparecem mesmo antes do início do julgamento.

É questionada, por exemplo, a participação do ministro Dias Toffoli, que já trabalhou para o PT e tem sofrido pressões para se declarar impedido. Segundo a Folha, ele já chegou a escrever em duas representações contra o PSDB entregues ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o mensalão “jamais” foi comprovado.

Na época, Toffoli trabalhava na campanha pela reeleição de Lula. Coassinada pela atual namorada do ministro, Roberta Rangel, a peça defende que o adversário político do petista, “através de engenhosa associação de imagens”, queria confrontar Lula “com acusações que jamais ficaram comprovadas, tais como o chamado mensalão”.