A empresária mandou cobrir as placas de branco

A divulgação em outdoor dos últimos números do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de Alagoinhas virou caso de polícia, motivado pela disputa eleitoral no município. A União da Juventude Socialista (UJS) divulgou o resultado que apontou Alagoinhas como o município brasileiro onde o índice mais piorou nos últimos anos. A alfinetada não agradou o grupo do prefeito, Paulo Cézar Simões (PDT). Ele foi acusado de coação pela empresária Maria Elizabete Santana Silva, proprietária da empresa responsável pela publicação da propaganda. De acordo com a empresária, desde que os outdoors foram expostos, prepostos do prefeito – dentre eles o procurado chefe do município, Ricardo Marcolin – foram até sua casa e fizeram uma série de ameaças para que as placas fossem retiradas.  

“Eles disseram que se eu não mandasse tirar imediatamente os outdoors, eles não se responsabilizariam pelos atos contra mim e minha família”, disse. Maria Elizabete registrou boletim da ocorrência em uma delegacia da cidade. No documento, a empresária relata que chegou a receber ameaças físicas, além de ter escutado que a licença de sua empresa seria cancelada. Ela também diz que foi obrigada a acompanhar dois representantes do prefeito até a casa de seus funcionários, onde foi coagida a ordenar a retirada dos outdoors. Ela pediu que eles fossem branco, ao temer alguma investida mais grave.  A campanha do atual prefeito conseguiu uma liminar judicial através de recurso, concedida pelo TRE baiano. Primeiramente a ação foi negada pelo juiz eleitoral da cidade, sob argumento de que o mesmo tipo de propaganda tinha sido veiculada durante a greve dos professores e contra o ex-prefeito e atual deputado Joseildo Ramos (PT).