O esquema de tráfico de crianças na Bahia deve ser investigado pela Polícia Federal.

A Região

O juiz substituto de Monte Santo, Luiz Roberto Cappio, afirmou, na Comissão Parlamentar de Inquérito do Tráfico de Pessoas, em Brasília, acreditar que uma organização criminosa de tráfico de crianças atua também em Itabuna. Para ele, o esquema de tráfico de crianças na Bahia deve ser investigado pela Polícia Federal. O magistrado é responsável pela denúncia de doações ilegais de crianças no sertão baiano. Ele suspeita que os envolvidos no esquema atuem no sul da Bahia.

O juiz Cappio afirmou que desconfia do envolvimento de magistrados e outros agentes públicos no esquema de adoções irregulares. Além da Bahia, disse que suspeita de participação de pessoas de São Paulo e Rio Grande do Sul. O esquema começou a ser descoberto com as doações ilegais de cinco crianças para famílias de São Paulo. A mãe biológica das crianças, Silvânia da Silva, informou que não recebeu informações sobre o processo.