Prefeito teve contas rejeitadas na última terça-feira referentes ao exercício financeiro de 2011

O prefeito de Ibirataia, Jorge Fair (DEM), que há oito anos administra o município sul baiano, deve estar se perguntando se valeu mesmo a pena entrar na política. Fair, que era um dos homens mais ricos e conceituados da microrregião antes da empreitada eleitoral, não para se meter em apertos e entrar em encrencas.

O alcaide, que já tem cerca de R$ 2,2 milhões bloqueados pela Justiça Federal, é réu na Operação Vassoura de Bruxas da Polícia Federal, que investiga fraudes em licitações públicas, foi “convidado” pelo TCM a devolver, na última terça-feira (04), o montante de R$ 538.911,60 oriundo do Fundeb e Fundef. Encrenca das grandes.

A relatoria do TCM identificou que houve desvio de finalidade dos recursos do Fundeb/Fundef durante os exercícios de 2003, 2004, 2006 e 2007. O prefeito, que teve as contas rejeitadas referentes ao exercício de 2011, ainda foi multado em quase R$ 80 mil, e a relatoria determinou a devolução de R$ 33.237,89, atinente ao pagamento de juros e multas por atraso no cumprimento de obrigações.

PARECER DO TCM AUMENTA ENCRENCA DO PREFEITO

O parecer que rejeitou as contas da Prefeitura de Ibirataia afirma que a gestão Jorge Fair gastou o equivalente a 60,50% da receita corrente líquida com despesa de pessoal, quando o limite prudencial é de 54%. O executivo também não enviou 21 processos licitatórios para análise do Tribunal, impactando no elevado dispêndio de R$ 2.108.850,93. Além das irregularidades comprovadas, há a contratação irrazoável no elevado montante de R$ 1.434,090,00, referente à transporte escolar por um curto período de 07 meses, pagamento injustificável de diárias, no total de R$ 15 mil, ao prefeito, e a aquisição irregular de materiais de construção (Comercial São Jorge, que totalizou R$ 85.990,00. A coisa está truva para o prefeito.

* Conferir íntegra do voto do Relator

Redação Ubatã Notícias