Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Do Bahia Notícias

Nem cigarros, álcool ou comidas gordurosas: o maior inimigo do coração pode ser o ronco. Um estudo surpreendente apontou que os “roncadores” são mais propícios a ataques cardíacos do que fumantes, obesos e pessoas com colesterol alto. Isso porque quem ronca tem mais probabilidade de desenvolver um espessamento ou anormalidades na artéria carótida que alimenta o cérebro. Esta condição é anterior ao endurecimento das artérias, o que leva a infartos e hemorragias cerebrais. “Pacientes que roncam precisam de tratamento da mesma maneira que os que têm apneia, pressão alta ou outros riscos cardiovasculares”, explica o coordenador da pesquisa, Robert Deeb, do Hospital Henry Ford, em Detroit, nos EUA. Atualmente, cerca de 40% dos homens e 24% das mulheres roncam.