Eduardo Cardoso é ex-Advogado Geral da União (Foto: Divulgação)

Ex-Advogado Geral da União, José Eduardo Cardozo utilizou argumentos já conhecidos para defender a presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment nesta terça-feira (30). Após citar a biografia de Dilma, Cardozo voltou a citar o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como agente ativador do impeachment e vértice do processo, juntamente com “os derrotados na eleição de 2014” e “aqueles que queriam para a Lava Jato”. Apesar de, em alguns momentos, Cardozo utilizar a condicional para falar sobre a saída em definitivo de Dilma da presidência, o tom foi menos beligerante do que o adotado em outras oportunidades. Parte da etapa inicial da defesa do ex-ministro foi baseada na acusação de Cunha como pivô do processo de impeachment, colocando-o como responsável por chantagear a presidente afastada em diversos momentos depois de ascender à direção da Câmara. “Os acusadores parecem que levam os seus partidos à tribuna”, reclamou Cardozo. (Bahia Notícias)