Eike Batista está preso desde janeiro de 2017 (Foto: Divulgação)

A Procuradoria-Geral da República (PGR) rejeitou a proposta de delação premiada do empresário Eike Batista. As tratativas vinham acontecendo com a equipe da procuradora-geral, Raquel Dodge, e com procuradores da República no Rio. De acordo com a Folha de S. Paulo, as provas apresentadas foram consideradas insuficientes. Desde que foi preso, em janeiro do ano passado, Eike manifestava a intenção de fechar acordo com o Ministério Público. Sua defesa preparou anexos que citavam políticos como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro Guido Mantega e o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB). A PGR afirmou que não se manifesta sobre supostas negociações de delação que, por lei, correm sob sigilo. (Bahia Notícias)