Veto de Temer ao novo Refis pode levar a demissão em massa

Mais de 200 mil comerciários em 120 mil micro e pequenas empresas é o contingente estimado de trabalhadores sob ameaça de perder os empregos, caso o Congresso não derrube o veto de Temer ao novo Refis. O financiamento das dívidas destas empresas é condição para evitar a falência em massa e o consequente fechamento dos postos de trabalho, como efeito dominó do veto presidencial. A interpretação é do assessor institucional da Federação do Comércio (Fecomércio), Edmundo Bustani, que falou de Brasília, onde acompanhou a comitiva de dirigentes lojistas a fim de participar do convencimento do Congresso. Bustani viajou para acompanhar os dirigentes da Fecomércio: Paulo Henrique de Andrade, representante do varejo de Juazeiro, no norte do estado; Benedito Vieira, pelo comércio de Alagoinhas e região, a 108 quilômetros de Salvador; e Luís Gonzaga, representando as distribuidoras de combustíveis. “Visitamos gabinetes de deputados e senadores baianos, depois de um café da manhã promovido pela Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa”, disse Bustani. Assim como os dirigentes da Fieb (leia texto acima), as lideranças dos dirigentes lojistas da Bahia exigem tratamento igual aos das médias e grandes empresas para financiamento das dívidas junto à Receita. De acordo com o Novo Refis, os empresários poderiam dar de entrada 5% da dívida, distribuída em cinco parcelas. (Folha)