Pedreiro foi condenado a 29 anos de prisão por júri popular (Foto: TV Bahia)

O pedreiro Wellington da Cruz Bispo, suspeito de matar a marretadas a cunhada Arlene Costa Borges, de 21 anos, e ainda ocultar o corpo da vítima, em Juazeiro, no norte da Bahia, foi condenado nesta quarta-feira (13) a 29 anos e sete meses de prisão em regime fechado por júri popular. O crime ocorreu no ano de 2014. O julgamento, que durou mais de 5h, foi realizado no Fórum Conselheiro Luiz Viana. Wellington está preso desde setembro de 2015. Na época do crime, ele chegou a confessar à polícia ter enforcado, estuprado e matado a vítima. Wellington era companheiro da irmã da vítima. O pedreiro disse, após ser preso, que Arlene tinha conhecimento sobre um amante da irmã e não teria dito nada a ele. Nesta quarta, durante o julgamento, o suspeito negou ter cometido o estupro. O homem, no entanto, foi considerado culpado por todos os crimes — homicídio qualificado, ocultação de cadáver e estupro. O julgamento começou, por volta das 9h, com o interrogatório do acusado. Depois, acusação e defesa tiveram um tempo para apresentar suas teses. A mãe de Arlene acompanhou o julgamento, usando uma camisa com a foto da filha, e se emocionou quando a promotoria contou detalhes do crime. (G1)