Geddel Vieira Lima e Luiz Estevão, em montagem (Foto: Agência Brasil)

O ex-senador Luiz Estevão (ex-PMDB-DF), o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) e o ex-deputado Márcio Junqueira (PROS-RR), presos no Complexo da Papuda, em Brasília, foram transferidos nesta quinta-feira (19) para a ala de segurança máxima da penitenciária. A decisão da Vara de Execuções Penais do DF foi tomada após denúncias de que os políticos eram privilegiados com regalias na cadeia. Estevão, Geddel e Junqueira estão agora em celas individuais de aproximadamente seis metros quadrados. O banho de sol também passa a ser individual – ou seja, eles não deverão ter contato com outros detentos. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública do DF, os presos deixaram as celas coletivas, no Bloco 5, do Centro de Detenção Provisória (CDP) durante a manhã. As celas individuais ficam no Pavilhão de Segurança Máxima da Penitenciária do DF I (PDF I). “Elas possuem água morna e vaso sanitário comum”, explica a pasta. Conforme o comunicado, o local não serve como isolamento, são celas comuns, porém, individuais. Os presos continuam recebendo, diariamente, quatro refeições e três horas de banho de sol. Também têm direito a visitas de familiares e advogados, diz a secretaria. O advogado de Luiz Estevão, Marcelo Bessa, afirmou ao G1 no início da tarde que ainda aguardava “acesso à integralidade do procedimento que levou a essa decisão” e, por isso, não tinha nada a declarar sobre a transferência. O G1 tenta contato com os advogados de Geddel Vieira Lima e Márcio Junqueira. (G1)