Ciro Gomes deve anunciar um “apoio crítico” ao PT (Foto: Divulgação)

Magoado com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, deve anunciar um “apoio crítico” na próxima quarta-feira (10) ao seu adversário do PT, Fernando Haddad. Em reunião da executiva nacional da sigla, que será realizada em Brasília, o partido pretende fechar um apoio protocolar, definindo que o partido não ocupará cargos em um eventual governo, não participará da coordenação da campanha e fará oposição independentemente de quem seja eleito. A legenda irá também liberar seus filiados, não aplicando punições para quem prefira se manter neutro na disputa presidencial. A única retaliação que será adotada, com a expulsão da sigla, é sobre quem anunciar adesão à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL). “O nosso apoio é mais contra o Bolsonaro do que a favor do PT. Até porque não podemos rasgar a nossa história”, explicou o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. A candidata a vice-presidente do partido, senadora Kátia Abreu (PDT-TO), por exemplo, disse à reportagem no domingo (7) que não pretende apoiar nem Haddad nem Bolsonaro. “Essa guerra não vai terminar bem. Não quero participar disso”, disse. O apoio crítico deve-se ao ressentimento do partido com as articulações feitas por Lula para esvaziar a candidatura de Ciro. O PDT acusa o petista de ter atuado para impedir os apoios ao pedetista do PSB, que acabou neutro, e das siglas do centrão, que se aliaram a Geraldo Alckmin, do PSDB. (Estadão)