Um policial civil foi espancado por um advogado após uma discussão, na noite do domingo (10), na cidade de Feira de Santana, a cerca de 100 km de Salvador. As agressões ocorreram no estacionamento de uma casa de shows, onde ocorria uma festa que os dois participavam. De acordo com a Polícia Civil, a briga teria começado durante o evento. Vídeos gravados por câmeras de segurança do local e por testemunhas mostram a confusão dentro e fora do evento. Nas imagens externas, é possível ver o momento em que o policial é atacado pelo suspeito. O advogado ainda usa a arma do agente para atirar contra um caminhoneiro que tentou impedir as agressões. O homem não foi atingido pelos disparos. No vídeo, é possível ver o policial civil Sérgio Roberto Souza Oliveira de costas conversando com o advogado e a mulher que está ao lado dele. A mulher se abaixa e parece pedir alguma coisa ao policial. Ela também tenta controlar o advogado. Em seguida, o policial vai embora, mas o suspeito parece provocar, e a vítima volta. Os dois trocam socos. Depois, o policial cai no chão e o advogado começa a chutar a vítima.

Homem pega arma de policial e atira contra caminhoneiro que tentou impedir agressões

O caminhoneiro chega e tenta parar o homem. Nesse momento, o suspeito pega a arma do policial e atira duas vezes. O caminhoneiro corre e some das imagens. Depois, o advogado segue agredindo o policial, que parece estar desacordado. A mulher tenta evitar as agressões também, mas não consegue. Após o ataque, o advogado vai embora com a arma do policial, que foi encontrada horas depois, abandonada na rua. Toda a confusão durou cerca de 3 minutos. Após as agressões, Sérgio foi socorrido e levado para um hospital particular de Feira de Santana, onde segue internado nesta segunda-feira. A família contou à reportagem que o estado de saúde dele é estável. O caso está sob investigação da Polícia Civil, que já ouviu oito testemunhas. Entre elas, a mulher do policial, que estava com ele na festa. Ela prestou depoimento na tarde desta segunda-feira. A polícia não divulgou o nome do suspeito para não atrapalhar as investigações. O advogado é considerado foragido, e pode responder por dupla tentativa de homicídio – contra o policial e contra o caminhoneiro. (G1)