Indígenas da etnia waiãpi denunciaram o assassinato de um líder (Foto: Iphan)

Indígenas da etnia waiãpi denunciaram o assassinato de um líder em meio a uma invasão de garimpeiros, no oeste do Amapá. A Polícia Federal e a Funai (Fundação Nacional do Índio) investigam o caso.  De acordo com a denúncia à PF, feita com o apoio do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o assassinato ocorreu na última quarta-feira (24), durante um ataque à aldeia Mariry. A Folha de S.Paulo confirmou essas informações com pessoas da região. Uma fonte da Funai disse que o corpo do indígena estava cheio de marcas de violência e sem um olho. A princípio, os índios acharam que ele havia se afogado, mas depois encontraram o corpo com esses sinais de agressão. Os cerca de 1.300 waiãpis habitam o oeste do Amapá, em área próxima à divisa com o Pará. É a única terra indígena do país com autorização oficial para exploração de ouro, feita de forma artesanal pelos próprios indígenas. Seria a primeira invasão de garimpeiros no território waiãpi em décadas. O ataque ocorre em meio a promessas do governo Jair Bolsonaro de legalizar a atividade em áreas protegidas. Diversas terras indígenas da Amazônia sofrem com invasão de garimpeiros, interessados principalmente em ouro e diamante. Entre as etnias mais atingidas estão os ianomâmis (entre Roraima e Amazonas), mundurucus (Pará), caiapós (Pará) e paiter-suruís (Rondônia). (Folha)