Dados do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

O número de focos de incêndio até o dia 1º de setembro deste ano é o recorde dos últimos nove anos, com 91.891 pontos de fogo – mais de 50% dos focos são na Amazônia. Na última década, somente 2010 teve um ano pior em queimadas. O mês de agosto, acompanhando o número geral, também é o pior da década, com 30.901 focos –novamente, só superado por 2010. No ranking de períodos com mais queimadas, segundo dados do Programa Queimadas, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), à frente de 2019 só se encontram anos da década passada, quando os níveis de desmatamento na Amazônia eram elevados. O ano de 2005 lidera o ranking, com pouco mais de 151 mil focos de incêndio. Nesse ano, o desmatamento alcançou 19.000 km². Logo à frente de 2019 está 2006, com 98 mil pontos de fogo e mais de 14.000 km² de desmate no ano. Em relação ao mesmo período do ano passado, 2019 teve (até 1º de setembro) aumento de 67% nos focos de queimadas. Se considerada sozinha, a Amazônia teve aumento de cerca de 107% em relação a 2018 no período. Enquanto isso, o mês de agosto teve um aumento do número de queimadas de cerca de 196% em relação ao mesmo mês de 2018. (Folha)