A Polícia Federal prendeu em flagrante um casal de equatorianos, sendo um deles proprietário de uma oficina de costura clandestina, localizada na capital, onde outras duas mulheres de mesma nacionalidade, uma delas menor de idade, eram mantidas sob jornada de trabalho exaustiva e condições degradantes. Segundo relatos, a menor conseguiu manter contato com seu irmão, que vive na cidade de Quito – Equador,  informando que encontrava-se em cárcere privado no Brasil, e solicitando ajuda para retornar ao seu país de origem. A notícia de que a adolescente equatoriana se encontrava reclusa chegou à Policia Federal através da ISON-INTERPOL Specialized and Operational Network, na noite de sexta-feira, por volta das 21 horas. Ressalta-se a rápida resposta da PF que em menos de 24 horas instaurou inquérito policial, representou pela busca e apreensão, resgatou as vítimas e prendeu os acusados pelo crime. Após a prisão dos equatorianos, e com o fim dos trâmites médicos e administrativos, as vítimas acabaram libertadas e a menor estrangeira foi entregue ao conselho tutelar. A ação contou com o apoio do Ministério Público do Trabalho e da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo, que providenciou o acolhimento das vítimas. Na audiência de custódia, a prisão em flagrante do homem foi convertida em prisão preventiva e a mulher foi colocada em liberdade provisória. Os suspeitos podem ser processados pela conduta criminosa tipificada no artigo 149 do Código Penal, com a previsão de pena que varia de 2 a 8 anos de reclusão. (Ascom PF)