Estudo indica que vacina russa é segura e produz imunidade (Foto: Divulgação)

Após enfrentarem forte desconfiança da comunidade internacional, cientistas russos divulgaram os resultados das fases 1 e 2 dos testes em humanos da sua vacina contra Covid-19. Nesses testes preliminares, ela foi considerada segura e eficaz. O estudo foi publicado na revista científica “The Lancet”, uma das mais importantes do mundo, nesta sexta-feira (4). A médica epidemiologista Denise Garrett, vice-presidente do Instituto Sabin de Vacinas, avalia que o problema da vacina russa é que a imunização foi aprovada sem os resultados da fase 3, que ainda será feita. “Teria sido ótimo se tivessem feito da seguinte maneira – publicado esses resultados e passado para a fase 3. Passar para a vacinação em massa sem fase 3 é desastroso”, avalia Garrett. “Se há um efeito adverso que é de 1 em cada 100 pessoas, eles testaram só 76”, lembra. Ela destaca que, caso fosse essa a incidência de efeitos colaterais graves, muitas pessoas poderiam ser afetadas. “Centenas de milhares, milhões, até bilhões de pessoas podem receber essa vacina. Se aplicar em mil pessoas, são 10 pessoas previamente sadias que vão desenvolver efeito adverso grave”, ressalta Garrett. A epidemiologista explica que usar dois adenovírus diferentes para “carregar” o vírus faz com que a vacina seja uma espécie de “duas em uma”. Isso é importante porque, como o adenovírus é um vírus comum, usar apenas um deles pode fazer com que o sistema de defesa do corpo não o reconheça como um “invasor” e não produza uma resposta tão forte contra ele. *Ler mais.