Carrefour é depredado após morte de homem negro em filial de Porto Alegre

As mortes de negros causadas por violência física cresceram 59% no Brasil em oito anos, uma incidência 45 vezes maior que a taxa medida em relação a cidadãos brancos no mesmo período, segundo dados disponíveis do DataSUS consultados pelo UOL. O número anual de vítimas negras subiu de 694, em 2011, a 1.104, em 2018 — média de uma morte a cada sete horas. O total corresponde à soma das mortes por “agressão física usando força corporal” a dados sobre “agressão por meio de enforcamento, estrangulamento e sufocação”. O período analisado foi de 2011 a 2018. Os números de 2019 do SIM (Sistema de Mortalidade) ainda são preliminares e estão sendo fechados pelo Ministério da Saúde para entrarem em definitivo no DataSUS. Nesses oito anos, o aumento registrado deste tipo de morte entre brancos foi de 1,3%. No caso dos negros, o salto foi de 58,9%, crescimento 45 vezes maior. Para o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), os negros representam a soma de pretos e pardos. Eles são hoje 56,7% da população. O recorde de mortes de negros ocorreu em 2016, quando foram 1.162 assassinatos por violência física. Entre brancos, o recorde da década ocorreu em 2017, com 571 crimes dessa natureza. *Ler mais.