Wesley Faustino e Ricardo Cappelli

“Os caminhos para fortalecer o esporte – lei de incentivo ao esporte”, foi a palestra proferida por Ricardo Cappelli, diretor de programa da Secretaria Executiva do Ministério do Esporte, destinado a dirigentes de clubes, atletas, federações e associações esportivas convidadas a conhecer a lei.

Cappeli explicou os procedimentos para a captação dos recursos por meio da lei e os seus benefícios, quem pode encaminhar projetos e como as entidades esportivas devem fazer para captar os recursos provenientes da dedução do imposto de renda (IR).

Em 2010, o ministério do esporte aprovou uma verba de 400 milhões de reais, mas só foram captados R$ 185 milhões, cerca de 25% do previsto. “A maioria dos projetos contêm erros e acabam não sendo aprovados. O que falta são projetos bem elaborados. O dinheiro acaba sobrando”, contou Cappelli

Presente No evento, o ubatense Wesley Faustino, entusiasta do esporte amador na região, a exemplo da canoagem e artes marciais, questionou a burocracia o que acaba fazendo com que muitas empresas desistam. Perguntou, devido ao valor, se uma mesma entidade poderia apresentar o projeto divido por itens e em mais de uma modalidade. As duas perguntam tiveram respostas positivas. “Perguntei porque tenho dois projetos tramitando: a escolinha de canoagem canoa forte e o campeonato baiano de canoagem velocidade 2012”, explicou Wesley Faustino.

Wesley Faustino conta que vem conversando com um grupo de notáveis para que junto ao presidente da confederação brasileira de canoagem (CBCA), João Tomasini, consiga a implantação do núcleo de canoagem em Ubatã. “Este grupo é formado pelo diretor geral da Sudesb, Raimundo Nonato, Bobô; o ministro do esporte, orlando silva; e o deputado federal Daniel Almeida (PC do B)”, relata, lembrando que a associação canoa forte tem projeto sendo analisado no ministério do esporte, na CBCA, numa grande multinacional e numa empresa da Europa que quer investir em esporte nos municípios da mata atlântica.

A lei 11.438/06, regulamentada pelo decreto nº 6.180/07, beneficia qualquer pessoa jurídica de direito público ou privado, que não tenha fins lucrativos e que tenha a entidade funcionado com mais de um ano, como também beneficia pessoa física. “estes dois não devem ter nenhum empecilho com as certidões”, lembra Wesley Faustino.

Redação Ubatã Notícias