Jackson Silva é acusado de chefiar quadrilha

A Secretaria da Segurança Pública da Bahia divulgou no final da tarde desta terça-feira, 31, um balanço parcial da operação Esfinge, que apurou crimes cometidos por policiais civis e militares de Camacan. Segundo a SSP, a quadrilha era comandada pelo delegado titular do município, Jackson Silva, preso na operação.
O major José Silvério de Almeida Neto, que comandava a PM em Camacan, também participaria do bando que, de acordo com as investigações, estaria envolvido com homicídios, tráfico de drogas, extorsão, peculato e receptação de carga roubada.
Outros presos na operação em Camacan foram os investigadores Carlos Jorge Silva Góes, Clévisson José Alves Rocha, Lailson Monteiro Lobo, Paulo César de Oliveira, Thales Santos Carvalho e João Oliveira Larcher (aposentado). Além deles, as escrivãs Carla Cristina Brito Félix e Tatiane Ribeiro Tanajura, o sargento PM Lauro Antônio Oliveira Ferraz e os soldados Lúcio Lima Viana e Matheus Ferraz Costa fazem parte da lista de policiais suspeitos de integrar a quadrilha e também foram detidos.
Os irmãos Edvan e José Ivan Ribeiro Santana, e José Siqueira Silva, todos empresários no município, foram igualmente alvo de mandados de prisão.
Fonte: Pimenta na Muqueca