Salas vazias nesta segunda – Foto ilustrativa

Hoje (13), durante todo o dia, funcionários da Secretaria de Educação de Ubatã foram às escolas da Rede Municipal de Ensino para anotar os nomes dos professores que não foram às instituições de ensino em razão da paralisação. Pelo visto, tiveram bastante trabalho, pois toda a categoria aderiu à greve.

Não se sabe ainda o que será feito com as anotações das faltas, mas a APLB disse estar amparada na Lei de Greve, assinada em 1989, que assegura aos trabalhadores, dentre outras coisas, o direito à percepção dos salários durante o período de paralisação.

A greve dos profissionais da Rede Municipal de Educação promete durar até que os representantes da categoria sejam recebidos pelo prefeito Edson Neves, fato que dificilmente ocorrerá esta semana.

Redação Ubatã Notícias