Em entrevista concedida ontem (14) a uma emissora de rádio local, o prefeito Edson Neves afirmou que descontaria dos salários dos profissionais da educação que paralisaram a atividade na última segunda-feira (13).

A Lei de Greve, no entanto, impede que o empregador desconte dos grevistas de forma arbitrária. A justiça é quem decide se a greve é ilegal ou não. Caso decida que sim, que é ilegal, aí sim o empregador poderá efetuar descontos nos salários dos funcionários.

O chefe do executivo municipal considera que não há razão para a greve, e que os professores não têm motivo para paralisar as atividades. O prefeito acrescentou, ainda, que não trabalha com pressão, e que só negociaria com a categoria quando os professores voltassem a dar aula.

A APLB realizará uma assembleia hoje (15) para discuti a questão, mas há uma inclinação dos professores para não retornar as aulas enquanto o prefeito não receber os representantes da categoria.

Redação Ubatã Notícias